Vendedores informais que operam nos passeios e bermas da Avenida de Moçambique, na cidade de Maputo, foram ontem (05) impedidos de vender, após uma incursão da Polícia Municipal, principalmente nas paragens de transportes públicos de passageiros.

A medida desencadeada pelas autoridades visa fazer cumprir a postura municipal e desencorajar a prática de venda informal em locais impróprios.

A acção iniciou nas primeiras horas da manhã e surpreendeu centenas de vendedores que se fizeram ao local, como de costume, para desenvolverem os seus negócios, nas paragens de semi-colectivos de passageiros.

O facto gerou indignação dos visados e pedem integração nos mercados municipais.

Segundo Mateus Cuna, porta-voz da Polícia Municipal da Cidade de Maputo, a retirada dos vendedores iniciou no entroncamento entre a Av. de Moçambique e de Namaacha abrangendo o Terminal Rodoviário da Junta até ao bairro do Jardim.

A fonte explicou que a proibição da venda informal nesta via vai decorrer de forma faseada e paulatinamente será estendida a outros pontos.

“Nos últimos meses a via está a ser atentada pela proliferação de carinhas de tracção animal, vulgos “txova”, usadas sobretudo na venda de frutas, o que embaraça o tráfego rodoviário e aumenta o risco de ocorrência de acidentes de viação. Antes que o fenómeno atinja proporções alarmantes foi tomada a decisão de contê-lo”, sublinhou.

Assegurou que os informais serão reintegrados nos mercados, num processo de devolução de estética urbana na cidade de Maputo.