O negociador chefe britânico, David Frost, para o ‘Brexit’ admite que “é tarde, mas um acordo ainda é possível” entre Reino Unido e União Europeia (UE) até final do ano, confirmando uma nova ronda de negociações presenciais em Londres. 

Após alguns dias em formato virtual porque um membro da equipa da UE testou positivo a covid-19, levando ao isolamento dos restantes colegas, as negociações para um acordo pós-‘Brexit‘ vão ser retomadas na capital britânica.

Numa mensagem na rede social Twitter, disse estar satisfeito por ir receber o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, no sábado e por “todos estarem sãos e salvos” e defende a importância de manter o diálogo.

“Algumas pessoas perguntam-me por que ainda estamos a negociar. A minha resposta é que é o meu trabalho fazer o máximo para ver se existem condições para um acordo. É tarde, mas um acordo ainda é possível, e vou continuar a negociar até que fique claro que não é”, garantiu.

Na quarta-feira, o jornal The Guardian noticiou que Barnier disse ao homólogo britânico por videoconferência que não via sentido em viajar até Londres a menos que o Reino Unido aceitasse as propostas da UE.

Mas hoje, Frost reiterou que “para que um acordo seja possível, deve respeitar totalmente a soberania do Reino Unido”, nomeadamente o controlo sobre as fronteiras, águas de pesca e políticas de subsídios estatais.

“Procuramos chegar a um acordo nesta base, abrindo um novo começo à nossa relação com a UE que, pela nossa parte, sempre desejámos. Continuaremos a trabalhar arduamente para consegui-lo. Porque um acordo em qualquer outra base não é possível”, escreveu.

Antes de se deslocar a Londres, Barnier irá informar os Estados-membros e o Parlamento Europeu (PE) acerca do estado das negociações, embora tenha realçado, também através do Twitter, que as “mesmas divergências significativas persistem”.

Os dois lados estão em contrarrelógio para concluir, até final do ano, um acordo de comércio pós-‘Brexit‘ que possa entrar em vigor em 2021, quando cessa o período de transição que mantém o acesso do Reino Unido ao mercado único europeu.

O Reino Unido saiu da UE em 31 de janeiro e beneficia de um período de transição que mantém o acesso ao mercado único e união aduaneira do bloco europeu até o final deste ano.

Caso não consigam negociar um pacto bilateral, a partir de 01 de janeiro de 2021, o Reino Unido e a UE passarão a negociar com base nas regulamentações genéricas menos vantajosas da Organização Mundial do Comércio.