O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu continuar a respeitar a autonomia de Hong Kong, numa altura em que a cidade é palco de protestos pró-democracia, que ameaçam intensificar-se durante a celebração do Dia Nacional da China.

O chefe de Estado chinês falava à margem de uma recepção em Pequim, na véspera da celebração dos 70 anos desde a fundação da República Popular da China.

Xi Jinping prometeu continuar a respeitar o princípio “um país, dois sistemas”, que garante à antiga colónia britânica um elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário.

“Continuaremos a respeitar plena e sinceramente (…) o alto grau de autonomia” do território e “agiremos em estrita conformidade com a Constituição (chinesa) e a Lei Básica” de Hong Kong, afirmou Xi.

A polícia de Hong Kong alertou, esta segunda-feira, que a cidade poderá atravessar uma situação de perigo na terça-feira, já que novos protestos pró-democracia estão a ser planeados para o 70.º aniversário da fundação da República Popular da China.

“Estimamos que a situação amanhã será muito, muito perigosa”, disse o principal responsável de polícia, John Tse, aos jornalistas.

“Os manifestantes radicais estão a aumentar o seu nível de violência. A profundidade e a amplitude da sua violência e os seus planos mostram que estão cada vez mais envolvidos em actos de terrorismo”, acusou Tse.

JN