Pelo menos 52 pessoas morreram, 36 no Vietname e 16 no Camboja, devido às fortes chuvas que nos últimos dias causaram inundações e deslizamentos de terra nos dois países, onde a precipitação continua intensa.

O Centro Nacional de Prevenção de Desastres do Vietname declarou na quarta-feira (14) que 30 pessoas perderam a vida nas inundações, três morreram afogadas em naufrágios e outras três foram eletrocutadas enquanto consertavam as suas casas, danificadas pelas tempestades.

Além disso, outras doze pessoas estão desaparecidas: oito delas foram arrastadas pelas inundações e as outras quatro em naufrágios e ainda não foram localizadas.

As estatísticas oficiais não incluem o desaparecimento de 17 operários da construção civil que, segundo o portal de notícias VNExpress e outros meios de comunicação estatais, foram soterrados por um deslizamento de terra na província de Thua Tien-Hue, nem de 13 socorristas soterrados por outro deslizamento durante o resgate dos trabalhadores.

As autoridades enviaram novas equipas de resgate para a área, mas o acesso atualmente é impossível devido às inundações e ao risco de novos deslizamentos.

As chuvas, que começaram no centro do Vietname há uma semana, inundaram mais de 135.000 casas, destruíram as colheitas de mais de 6.000 hectares de plantações e mataram 332.500 animais, entre aves e gado.

No vizinho Camboja, onde as chuvas causaram inundações desde 01 de outubro em nove províncias e na capital, pelo menos 16 pessoas morreram, 1.200 famílias foram retiradas e 25.000 casas e 84.000 hectares de plantações foram danificadas, segundo a imprensa local.

A situação nos dois países pode agravar-se nos próximos dias devido à chegada iminente do tufão Nangka, que afetará principalmente no extremo norte do Vietname.

Prevê-se ainda que outra tempestade possa atingir o centro do Vietname e parte do Camboja no final desta semana.