As fronteiras entre Moçambique e a África do Sul reabriram, no entanto é necessário cumprir um “protocolo de proteção contra a Covid-19”. Na fronteira vendem-se testes falsos com resultado negativo.

Falsos testes à Covid-19 com resultado negativo estão a ser vendidos junto ao posto fronteiriço moçambicano de Ressano Garcia para quem quer entrar na África do Sul, denunciaram esta terça-feira as autoridades.

“Vamos trabalhar em mecanismos de identificação” e autenticação para “tornar os resultados do teste” mais fidedignos, explicou o diretor provincial de saúde de Maputo à Rádio Moçambique, Daniel Chemane. O objetivo “é ter um documento ainda mais controlável ou verificável”, sublinhou.

O alerta surge poucos dias depois de reaberta da fronteira à circulação geral.

O posto de fronteira de Ressano Garcia, o mais movimentado de Moçambique e que faz ligação com a África do Sul, reabriu na quinta-feira para o público após seis meses (desde 27 de março) restrito apenas a mercadorias devido às restrições impostas pela covid-19.

A reabertura ocorreu na sequência do alívio de restrições na África do Sul, mas a entrada de pessoas nos dois países está sujeita ao cumprimento do “protocolo de proteção contra a Covid-19”, disse à Lusa o porta-voz do Serviço Nacional de Migração (Senami) de Moçambique, Celestino Matsinhe.

O protocolo implica a apresentação do teste à Covid-19 feito nas últimas 72 horas.

Moçambique tem 56 postos de fronteira, mas apenas 32 estão atualmente em funcionamento devido às limitações impostas pelo novo coronavírus. O país regista um total acumulado de 9.296 casos de Covid-19 com 66 mortos e 6.104 recuperados (65% do total).