Uma mulher, cuja nacionalidade se presume ser moçambicana, está sob custódia das autoridades policiais da Índia, depois que foi encontrada na posse de três quilos e 418 gramas de anfetaminas, em Kopar Khairane, arredores de Bombaim, capital económica daquele país asiático.

As anfetaminas são drogas usadas como estimulantes da actividade do sistema nervoso central, que  aceleram o funcionamento do cérebro, deixando as pessoas mais “activas”, “ligadas” com “menos sono” e “eléctricas”.

A droga é também chamada por rebite, principalmente entre os motoristas que precisam conduzir durante várias horas seguidas sem descanso. É usada também por estudantes que passam várias noites a estudar, ou por pessoas que costumam fazer regimes de emagrecimento sem o acompanhamento médico.

Os narcóticos foram encontrados na posse de Flizarda Alberto Bendane, de 36 anos, que chegou à Índia na sexta-feira, segundo a AIM.

Ravindra Budhwant, funcionário sénior da Polícia, disse estar bastante surpreendido com a arte usada pela referida mulher no contrabando da droga, que mesmo sabendo da existência de vários postos policiais de revista antinarcóticos na cidade de Bombaim, preferiu arriscar.

A indiciada estava hospedada num hotel em Colaba e, segundo Budhwant, as autoridades policiais receberam um alerta dando conta da existência de uma mulher de nacionalidade estrangeira que se preparava para contrabandear drogas.

“Depois que a identificamos, revistamos todas as suas bagagens, onde encontramos três embalagens de anfetaminas”, disse o alto funcionário, anotando que uma estava escondida de baixo das roupas e as restantes numa mala revestida de madeira.

A Polícia de Bombaim disse estar na posse de poucos detalhes, situação agravada pelo facto de a indiciada ser falante apenas da língua portuguesa, e deverá  permanecer sob custódia policial até quarta-feira.

Jornal Notícias