Fome assola dois povoados de Mabote
Dez mil pessoas estão a braços com uma grave crise de alimentos em consequência de fracassada safra agrícola em Mabote, província de Inhambane, sul do país.

Babatane e Zimane são as zonas mais atingidas pela estiagem, onde os camponeses esgotaram as suas reservas alimentares, socorrendo-se agora da raiz de uma planta nativa, tida como imprópria para consumo humano. As vítimas relatam casos frequentes de dores de estômago, acompanhados de diarreias agudas.

A Rádio Moçambique em Inhambane constatou na região a prevalência de uma aguda escassêz de água para suprir as necessidades dos camponeses criadores de gado bovino, já que os reduzidos cursos de água que correm naqueles dois povoados encontram-se secos. As últimas chuvas caíram no princípio deste ano e de lá para cá os seus leitos encontra-se completamente gretados.

Para o beberamento do gado, os camponeses são obrigados a percorrer longas distâncias, não raras vezes entrando na vizinha província de Gaza, mais a sul.

“A vida aqui em Zimane é de muito sofrimento devido a fome. Sobrevivemos graças a uma planta chamada Xigudi, que nos fornece as suas raízes, algumas boas outras nem por isso”, relatou assim o camponês Lucas Chitlhango, entrevistado pela Rádio Moçambique. Ele foi secundado por outros moradores de Zimane, que aguardam com natural ansiedade pela próxima época chuvosa.

Guilherme Pitasburgo, Administrador do Distrito de Mabote, afirmou que o Governo tem estado a incentivar as populações de Babatane e Zimane a, por um lado, semear culturas tidas como resistentes à seca como a mandioca, e por outro, a vender uma ou outra das suas cabeças de gado bovino para obter o dinheiro necessário para a compra de produtos alimentares no comércio local.