O presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, pediu às instâncias europeias mais sanções internacionais para enfraquecer o regime chavista de Nicolas Maduro e “parar a tragédia do povo”.

O opositor e presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, pediu na terça-feira (21) às instâncias europeias mais sanções internacionais para enfraquecer o regime chavista de Nicolas Maduro e “parar a tragédia do povo”, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela referia-se a restrições como a proibição de viagens ou congelamento de bens a personalidades ou mesmo membros do executivo venezuelano suspeitos de contribuírem para a violação de direitos humanos ou envolvidos em esquemas de corrupção.

É por isso que estamos na Europa, para tentar arranjar a maneira de parar a tragédia do povo”, disse, no Parlamento Europeu, pouco depois de uma reunião com o Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, e de encontros com grupos políticos europeus, na véspera da deslocação a Davos, Suíça, para o Fórum Económico Mundial.

Guaidó mostrou-se reconhecido pelo apoio recebido em Bruxelas, um dia depois de se ter encontrado com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em Londres, vincando “os valores partilhados com a Europa: democracia, liberdade e dignidade”.