O projecto, cujo arranque está previsto para o próximo ano, tem como área de implementação duas importantes regiões do país, nomeadamente o vale do Zambeze, com grande potencial para o desenvolvimento da agricultura comercial e o corredor de Nacala, tido como grande eixo logístico, principalmente porque dispõe de um porto de águas profundas.

Daquele montante, 40 milhões de dólares destinam-se a financiamento de projectos ao longo do Vale do Zambeze, 58 milhões para o Corredor de Nacala e os remanescentes oito milhões serão aplicados no desenvolvimento institucional.

Segundo fonte do Ministério da Planificação e Desenvolvimento, em termos de infra-estruturas prioritárias, para o Vale do Zambeze estão previstas estradas de acesso, sistemas de irrigação e mini hídricas, ao passo que para o Corredor de Nacala, o plano é de estradas e pontes para Nacala-a-Velha, furos de água e sistemas de abastecimento de água.

Investimentos atingem 109 milhões de dólares

Nas regiões identificadas estão também previstos fundos catalíticos para propostas de negócios, numa elaboração conjunta dos grandes e médios investidores e pequenas e médias empresas, todos privados.

No âmbito dos fundos catalíticos serão valorizadas aplicações inovadoras com iniciativas voltadas às mudanças climáticas e aplicações de tecnologia, incentivando parcerias no seio do sector privado.

Na componente de capacitação e desenvolvimento institucional as atenções estarão viradas para a melhoria da aptidão da identificação, coordenação e implementação dos programas de investimento público e privado pelas autoridades provinciais e do gazeda.

Segundo soubemos, os próximos passos consistirão na finalização da contratação da equipa de gestão do projecto e aprovação pelo conselho de administração do Banco Mundial dos termos do acordo de financiamento.

Jornal Noticias