Economia FMI elogia desempenho económico de Moçambique durante visita do Presidente Nyusi

FMI elogia desempenho económico de Moçambique durante visita do Presidente Nyusi

Receba atualizações de trabalhos do MMO Emprego

Siga o nosso canal do Whatsapp para receber atualizações diárias anúncios de vagas.

Clique aqui para seguir

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, reconheceu o bom desempenho da economia moçambicana durante uma reunião com o Presidente Filipe Nyusi, em Washington.

Ela destacou a situação fiscal reforçada, o crescimento económico em alta e a inflação em baixa, além da robustez das reservas do país.

Kristalina Georgieva, que se encontrou com Nyusi por mais de 30 minutos na sede do FMI, elogiou ainda a construção de instituições fortes e a implementação de boas políticas, resultado desse desempenho económico positivo.

Nyusi estava em Washington para participar na conferência internacional em defesa da Floresta do Miombo, após o encerramento do evento, onde se discutiu a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável em países da África Austral.

O FMI havia aprovado uma nova tranche de assistência a Moçambique em janeiro, no valor de 60,7 milhões de dólares, como parte do Programa de Facilidade de Crédito Alargado (ECF). Esta terceira avaliação do programa destacou o cumprimento de vários indicadores de referência estruturais e quantitativos, apesar de alguns desafios.

O programa ECF, que foi iniciado em maio de 2022, tem como objetivo principal apoiar a recuperação económica de Moçambique, reduzir a dívida pública e promover um crescimento inclusivo através de reformas estruturais.

O diretor executivo adjunto do FMI, Bo Li, ressaltou a importância de medidas contínuas para garantir a disciplina fiscal e melhorar a mobilização de receitas, especialmente diante dos desafios representados pela alta dívida do país e pelas condições de financiamento restritas.

No entanto, ele também reconheceu os esforços do governo moçambicano na reforma fiscal e na gestão monetária, destacando a necessidade de uma política monetária mais flexível, dada a estabilidade das expectativas de inflação e a reconstrução das reservas cambiais.