O Canadá declarou ontem, o grupo Proud Boys, uma entidade terrorista, de forma a travar o crescimento da extrema-direita no país.

O ministro da segurança pública do Canadá, Bill Blair, classificou os Proud Boys como uma “ameaça significativa à segurança interna” do país. E incluiu o grupo numa lista onde estão presentes entidades terroristas como o DAESH e o ISIS.

O anúncio surge menos de um mês depois de alguns membros dos Proud Boys se juntarem à violenta invasão ao Capitólio, em Washington, nos Estados Unidos, após participarem num comício do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, na esperança de anular as eleições presidenciais. Cinco pessoas, incluindo um agenda da polícia do Capitólio, morreram naquele ataque.

Segundo o The Washington Post, “a designação como grupo terrorista acarreta consequências financeiras e jurídicas. A polícia pode apreender a propriedade do grupo ou dos membros; os bancos podem confiscar os ativos. Os membros do grupo podem ter ser proibidos de entrar no Canadá”.