Um homem entrou a disparar num hospital na cidade de Ostrava, na República Checa, e fez seis mortos, adiantou a polícia local e o ministro do Interior checo, citados pela Reuters.

O atirador de 42 anos esteve durante algumas horas em fuga, mas a polícia acabou por encontrá-lo morto num carro. “Estamos a tentar identificar o homem que se suicidou com um tiro na cabeça”, confirmou a polícia no Twitter.

O ataque aconteceu na sala de espera do hospital por volta das 7h da terça-feira (10) e, além dos seis mortos, duas pessoas ficaram feridas com gravidade. A polícia evacuou o hospital universitário e todos os acessos à unidade hospitalar situada no campus da Universidade de Ostrava ficaram encerrados. O homem disparou sobre si mesmo quando um helicóptero da polícia sobrevoava o carro em que se encontrava.

Não são ainda conhecidas as motivações do ataque, mas o primeiro-ministro checo, Andrej Babis, disse que se tratou de “um acto individual”.

A polícia checa começou por divulgar uma fotografia de um homem, com um casaco vermelho, pedindo ajuda para o localizar, “com a máxima cautela”. Pouco tempo depois, a polícia retirou a imagem das redes sociais, dizendo que se tratava de uma testemunha importante e não do suspeito.

A cidade de Ostrava fica no nordeste da República Checa, perto da fronteira com a Polónia, a 370 quilómetros da capital Praga.

A Reuters diz que este foi um dos tiroteios mais graves da República Checa, onde são raros os crimes com armas de fogo. O último aconteceu em 2015, quando um homem matou oito pessoas, suicidando-se, depois, num restaurante na cidade de Uhersky Brod, perto da fronteira com a Eslováquia.

Público