Saba Kord Afshari, ativista dos direitos civis, foi condenada a 24 anos de prisão por protestar contra o uso obrigatório do véu.

A jovem foi julgada a 19 de Agosto de 2019 e foi acusada de “difundir a corrupção e a prostituição ao retirar o hijab e caminhar sem o véu” e de “difundir propaganda contra o Estado”.

De acordo com as organizações de Direitos Humanos do Irão, Saba foi pressionada a fazer falsas confissões, algo que a jovem se recusou a fazer. Para exercer mais pressão sob a jovem e força-la a dizer o que pretendiam, as autoridades prenderam a mãe de Saba.

A primeira detenção da ativista foi em Agosto do ano passado, enquanto participava num protesto. Saiu em liberdade em Fevereiro de 2019, mas acabou por ser novamente detida este Junho.

Segundo o jornal La Vanguardia, o veredito emitido pelo Tribunal Revolucionário do Teerão foi divulgado ao advogado de Saba esta terça-feira.

CM