O porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), António Muchanga, em relação ao pleito multipartidário realizado no dia 15 de Outubro, em todo o país, diz que a Comissão Nacional de Eleições (CNE), veio desorganizar a organização das eleições.

Falando em torno, das eleições realizadas recentemente, e em resposta provida semana passada pela CNE, através do seu porta-voz, Paulo Cuínica, que exortava aos partidos políticos a credibilidade deste órgão, com isto, António Muchanga, da Renamo, contra diz afirmando que várias irregularidades constatadas durante o processo eleitoral contem argumentos suficientes para anular a recente votação.

Alias, para Muchanga, a CNE, não precisa de receber nenhuma queixa oficial dos partidos, sobre as irregularidades constatadas durante o pleito. “A CNE, não precisa de receber nenhuma denúncia de qualquer tipo de irregularidades, pois os casos já denunciados e outros que já vem sendo veiculados publicamente, inclusive a detenção da directora das operações do órgão eleitoral, na Beira, entre outros casos, acho que estes são argumentos suficientes para eles analisarem e perceberem que o escrutínio não correu de nenhuma forma livre e transparente, como se diz por ai”, reiterou Muchanga.

Questionado sobre a forma em o todo o processo da campanha e as respectivas eleições, inclusive, a organização da CNE, o porta-voz da perdiz, afirma de “pés juntos”, que a instituição que zela nesta área, “ao invés de organizar as eleições, veio desorganizar a organização das mesmas”, considerou.