Helena Taipo
A ministra do trabalho, Maria  Helena Taipo, defende que a empresa de segurança Omega deve deixar de operar no país, na sequência das irregularidades que aquela firma cometeu na província da Zambézia, ao deixar à sua sorte um total de 237 trabalhadores, sem no entanto haver uma comunicação oficial no que tange à rescisão de contratos de trabalho.

É que aqueles trabalhadores estão desde Setembro do ano 2009, ou seja, a mais de 40 meses, sem lhes serem pagos os seus salários. A entidade gestora da empresa encontra-se neste momento baseada na capital do país, Maputo, e nada diz a respeito da dívida que tem com aqueles homens, que na sequência da atitude do patronato estão a viver momentos difíceis junto das suas famílias, devido à falta de salários e ao desemprego ora causado.

Perante isto, a ministra do trabalho entende que a empresa Omega Segurança não devia continuar a ganhar postos de trabalho, “porque se nós estamos a incentivar a Omega a ganhar postos de trabalho, significa que estamos a admitir que o patronato da empresa continue a fazer desmandos no país”, disse Helena Taipo.