Dois cidadãos que se presume serem de nacionalidade estrangeira, membros de um grupo indiciado da prática de diversos crimes com recurso a uma pistola de pressão de ar, encontram se detidos numa das celas da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Nampula enquanto que outros três estão em parte incerta.

Os indivíduos agora atrás das grades dizem-se inocentes, mas reclamam o facto de outros envolvidos no assunto terem sido postos em liberdade mediante pagamento de valores monetários a agentes do serviço nacional de investigação criminal SERNIC e a outros agentes da PRM,  afectos a segunda  esquadra da policia na cidade de Nampula

.“Eu não sei porque estamos aqui. Dizem que estávamos com arma. É uma arma de pressão de ar que nem passarinho consegue matar. Há três pessoas que não estão detidos. Deram dinheiro aos agentes da PRM e do SERNIC e até aqui não entraram,” referiu Amisse Amade, um dos Indiciados.

Entretanto, Zacarias Nacute, porta voz do comando provincial da PRM em Nampula, explicou que os indivíduos em causa, foram detidos por terem sido surpreendidos com a referida arma de fogo e como se não bastasse sem a documentação requerida para o efeito.

“A policia está a trabalhar no sentido de localizar os indivíduos foragidos para sua responsabilização. Ainda não sabemos se a arma teria sido usada para actos criminais,” indicou Zacarias Nacute.

Refira- se que os crimes com recurso a armas de fogo tem estado a crescer nos últimos meses ao nível da Cidade Nampula no norte e a província mais populosa do país.

O País