Internacional Guerra na Ucrânia: Rússia anuncia mobilização de 300 mil cidadãos 

Guerra na Ucrânia: Rússia anuncia mobilização de 300 mil cidadãos 

O Presidente da Rússia anunciou esta quarta-feira uma “mobilização parcial” dos cidadãos russos na reserva, ou seja, de pessoas que já fizeram serviço militar ou que têm competências militares especiais, numa altura em que a guerra na Ucrânia está a chegar ao sétimo mês do conflito, escreve a CNN Brasil.

No seu discurso à Nação, desde o início da guerra, o Chefe de Estado russo disse que a medida que abrange 300 mil russos e entra já em vigor, obedece à necessidade de defender a soberania e a integridade territorial do país, escreve a SIC Notícias.

“Devemos apoiar a proposta do Ministério da Defesa sobre a mobilização militar parcial. Só mobilizaremos os cidadãos actualmente na reserva, que têm experiência e serviram no Exército, e têm certas profissões e capacidades. Antes de serem mobilizados, terão treino militar adicional, com a experiência da operação militar especial em mente”, afirmou Putin.

Vladirmir Putin garantiu que o decreto já foi assinado e que a mobilização começará já esta quarta-feira.

A Rússia reconheceu a morte de 5.937 soldados durante a campanha na Ucrânia iniciada em Fevereiro (um número contestado por ser considerado demasiado baixo).

O Chefe de Estado disse ainda que a Rússia, que invadiu a Ucrânia a 24 de Fevereiro, está pronta a utilizar todos os meios ao seu dispor para se proteger e declarou Putin e acusou o Ocidente de procurar destruir o país.

Putin disse também que Moscovo vai aumentar o fabrico de armamento e ameaçou usar todos os meios à disposição para proteger os interesses russos.

“O nosso país tem meios de ataque e mais modernos do que a NATO. Os russos podem ficar descansados, a nossa segurança será garantida”, sublinhou o Presidente da Rússia.