Uma equipa de engenheiros implementaram, com sucesso, uma nova técnica que permitiu movimentar um edifício histórico por mais de 61,7 metros em cima de pernas robóticas, na cidade de Xangai, na China.

Trata-se de um prédio de cinco andares, onde funciona a escola primária Lagena, que pesa 7,6 mil toneladas,  construído em 1935,  que foi movimentado do seu lugar habitual para ser realojada noutro, de modo a dar lugar à construção de um novo projecto.

Em vez de demolir o edifício de valor histórico, os engenheiros optaram por levantar totalmente a construção e colocá-la sobre 198 pernas robóticas especialmente projectadas para o acto, informou a imprensa estatal.

Não é a primeira vez que um imóvel deste tipo é movido de lugar em Xangai, segundo a emissora CFTV, acrescentando que o transporte foi concluído em 18 dias e terminou a 15 de Outubro. Agora o prédio está a ser reformado para a sua preservação histórica.

Existem vários métodos de movimentação de edifícios, mas normalmente são usadas plataformas colocadas sobre carris ou guindastes de enorme capacidade. Mas o uso de pernas robóticas com rodas, como as usadas na escola Lagena, foi uma nova estratégia aplicada pela engenharia chinesa.

Em 2017, um templo budista de 135 anos e 2 mil toneladas foi movido cerca de 30 metros para evitar incêndios decorrentes da queima de incenso colocados por visitantes. Após 15 dias de pequenas movimentações, o imóvel histórico chegou ao seu destino final.

Neste ano, a China também atraiu os holofotes mundiais com outro projecto de infraestrutura: a construção de um hospital com capacidade para mil pacientes em apenas 10 dias. O centro médico foi instalado em Wuhan, cidade onde surgiu o primeiro surto de coronavírus, que acabou levando a uma pandemia global.