Um homem confessou à polícia norte-americana ter feito sexo com a namorada já morta, numa tentativa desesperada de que esta ‘ressuscitasse’.

O caso aconteceu em Connecticut, nos EUA, no passado mês de Janeiro. Aaron Graser revelou em tribunal que ficou em pânico quando percebeu que a companheira não apresentava sinais de vida.

O homem decidiu amarrá-la e fazer sexo com o cadáver numa tentativa de a “acordar” da morte. Quando se apercebeu que a sua ideia não estava a resultar, o homem de 39 anos decidiu ir chamar o vizinho, um ex-paramédico, para o ajudar, que declarou imediatamente a mulher como morta.

Quando as autoridades chegaram ao local aperceberam-se das marcas que o cadáver tinha nos pulsos devido às cordas com que foi amarrado. Aaron foi indiciado de agressões físicas e abuso sexual e levado para ser presente a tribunal.

O homem acabou por ser condenado a um ano de prisão, depois de confessar ao juiz ter feito o que fez. Aaron disse que fez sexo com a namorada porque esta detestava ter relações sexuais com ele.

Acreditei que ela acordasse, nem que mais não fosse com a aflição“, disse. Apesar de a namorada já estar morta, o homem garante ter ouvido gargalhadas a sair do seu corpo. Os especialistas acreditam que se tratasse dos sons dos gases a escapar do próprio cadáver.

As autoridades acreditam que a mulher tenha morrido na sequência de uma overdose de drogas, após encontrarem doses de heroína e de seringas no local da morte, que teve lugar no passado mês de Janeiro.

CM