Uma personal trainer australiana foi presa no aeroporto de Bogotá, na Colômbia, com 5,8 kg de cocaína, que estava escondida em sua bagagem.

O valor de venda da droga foi estimado pelas autoridades locais em mais de R$ 4 milhões (cerca de 89 milhões de meticais). Cassandra Sainsbury, de 22 anos, foi abordada pela polícia antes de embarcar para um voo que iria para Londres. A mulher, que está com casamento marcado para os próximos meses, alega inocência. Segundo a família, ela foi vítima de traficantes.

A prisão de Cassandra aconteceu no último dia 12 Abril. A cocaína estava escondida dentro de fones de ouvido que ela trazia em sua mala. Após a abordagem policial, a australiana foi encaminhada para a cadeia El Buen Pastor, a maior prisão para mulheres da Colômbia. Ela teve a fiança negada.

A suspeita entrou em contacto com sua mãe, Lisa Evans, pela última vez há cerca de uma semana. Cassandra contou que estava bem e tentava aprender espanhol para se comunicar.

Lisa lamentou a prisão da filha. “É uma situação devastadora. É algo que eu nunca pensei que teria que lidar com em toda a minha vida“, disse ela que, com apoio da família, já começou uma campanha na internet para arrecadar fundos e auxiliar nas despesas para custear advogados para cuidar do caso. Até o momento, quase R$ 10 mil (cerca de 223 mil meticais) foram recebidos.

Para a mãe, a filha é inocente e foi vítima de uma armação. Segundo Lisa, antes de embarcar, Cassandra aceitou comprar os fones, que daria de lembrança para os convidados de seu casamento, de um colombiano que disse poder dar a ela um bom preço nos produtos. A australiana já teria recebido os equipamentos guardados em sacos pretos.

Ela colocou-o na bagagem e, ingénua, fez apenas um pequeno rasgão para garantir que eram mesmo os fones“, explicou a mãe.

Em julgamento, caso se declarar culpada, Cassandra enfrentará uma pena mínima de seis anos. No entanto, se se declarar inocente, pode pegar uma pena de 18 a 25 anos, caso seja condenada.

O Departamento de Relações Exteriores da Austrália já está acompanhando o caso. Ainda não há data para o julgamento de Cassandra.

As informações são do jornal “The Guardian”.

Extra