A empresa de petróleo e gás com sede no Canadá, Wentworth Resources, anunciou que as operações de perfuração começaram no Tembo-1, poço da concessão Rovuma Onshore, na província de Cabo Delgado.

Num comunicado de imprensa, a Wentworth diz que o Tembo-1 também é alvo de áreas do Cretáceo com alvos secundários no Jurássico Superior.

Wentworth é um dos accionistas minoritários da concessão petrolífera em causa. O operador é a empresa norte-americana Anadarko, com uma participação de 35,7 por cento. Wentworth tem 11,59 por cento; PTTEP da Tailândia de 10 por cento; e Mauel et Prom da França 27,71 por cento. Os restantes 15 por cento são detidos pela própria Companhia Nacional de Hidrocarbonetos de Moçambique (ENH).

Os grandes depósitos de gás natural descoberto pela Anadarko e a empresa de energia italiana ENI off shore na bacia do Rovuma estão em áreas muito mais jovens, a partir do Eoceno e Oligoceno. Os períodos Jurássico e Cretáceo são as duas divisões da era Mesozóica, e uma vez que a grande maioria das descobertas de petróleo (cerca de 70 por cento) foram nas áreias de idade Mesozóica, Tembo-1 é, talvez, mais propenso a atacar petróleo do que qualquer outro poço.