Início Sociedade Stella Zeca advertiu a honestidade na distribuição dos subsídios da Covid-19

Stella Zeca advertiu a honestidade na distribuição dos subsídios da Covid-19

As famílias com renda financeira devem distanciar-se do processo de cadastramento de pessoas vulneráveis que decorre desde o princípio deste mês na cidade da Beira, com vista à atribuição, em Novembro próximo, do subsídio destinado à mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

O apelo foi lançado há dias pela secretária de Estado na província de Sofala, Stella Zeca, no final de visita de monitoria a alguns locais de inscrição no posto administrativo de Inhamízua, concretamente nos bairros de Chingussura, Vila-Massane e Nhaconjo.

Para o efeito, a governante advertiu que todos os oportunistas serão retirados das listas dos beneficiários daqueles subsídios e poderão ser criminalmente responsabilizados por prática de falsas declarações aos inquiridores do Instituto Nacional de Acção Social (INAS).

Outro caso, segundo a secretária, está relacionado com a dupla inscrição de algumas pessoas nos bairros periféricos daquela urbe. Lembre-se que, se pretende abranger um total de 149.026 agregados na Beira e 36.944 na vizinha cidade do Dondo, totalizando 185.970 famílias.

O acto começou no último trimestre do ano passado com a pré-inscrição do grupo-alvo através das autoridades comunitárias locais contando com o envolvimento de técnicos, supervisores e inquiridores previamente capacitados.

Mesmo assim, indicou que apesar de o processo ter sido dado como concluído há reclamações por parte de alguns cidadãos sob alegação de não terem sido inscritos. No entanto, pelo menos nos bairros de Maquinino, Chaimite, Ponta-Gêa, Chipangara, Matacuane, Esturro, Pioneiros, Macurungo, Estoril e Macúti, os técnicos do INAS constataram que algumas pessoas que foram alistadas são funcionários públicos.

Reafirmou que este apoio visa cobrir as famílias sem rendimento que serão pagas em tranches o valor de 1500 meticais num período de seis meses totalizando nove mil. O cadastramento decorre de casa-a-casa e em pequenos grupos, no âmbito da prevenção do coronavírus.

Neste contexto, apelou a todos que sejam vigilantes revelando que alguns funcionários vão responder em tribunal por falsas declarações que culminaram com o recebimento de alguns benefícios relativos às vítimas do ciclone Idai.

FONTEJornal Notícias
Artigo anteriorGoverno brasileiro pretende apoiar forças moçambicanas no combate ao terrorismo em Cabo Delgado
Próximo artigoJovens denunciam maus-tratos a cidadãos e subida de propinas em Angola