Desafiando a proibição de ajuntamentos imposta por causa da pandemia de Covid-19, algumas centenas de membros da oposição e activistas russos foram este sábado junto ao Kremlin protestar contra as emendas constitucionais e tentar impugnar os resultados do referendo que as permitiram.

Um voto que foi “um logro fraudulento em larga escala”, segundo um dos coordenadores do movimento da oposição “Frente Esquerda”, Serguei Udaltsov.

Entre os manifestantes, o sentimento foi de “vergonha”, porque, afirmam, o que está ocorrer “é um circo”, repleto de “fraudes eleitorais”.

As alterações à Constituição russa de 1993, que entraram em vigor este sábado, abrem o caminho para Vladimir Putin ficar no poder até 2036 e reforçam os poderes do presidente.