A Renamo diz ter iniciado conversações com a “Junta Militar”, formada por alguns dos seus homens armados, no sentido de ultrapassar as diferenças que existem entre as partes, e nos próximos dias haverá uma solução definitiva sobre o assunto.

A informação foi partilhada pelo deputado da Renamo, Muhamad Yassin, durante o programa bancadas parlamentares, da STV Notícias, de sexta-feira passada.

Yassin diz “não ter dúvidas de que os esforços que estão a ser feitos pelo partido mostram, claramente, que há uma solução à vista”.

O grupo de guerrilheiros da Renamo, constituído em “Junta Militar”, exige a demissão do seu líder, Ossufo Momade, e a eleição de um novo presidente da formação política.

O grupo reclama uma suposta exclusão no processo de desarmamento, desmobilização e reintegração, iniciado a 29 de Julho passado, a favor dos amigos e familiares de Ossufo Momade.

No dia 24 de Julho, os guerrilheiros prometeram dentro dos subsequentes 10 dias anunciar o novo líder da Renamo, que sairia do Estado-Maior General desta formação política.

“Nós começamos a revolução saindo do Estado-Maior General. As eleições serão no Estado-Maior General. Se ele (Ossufo Momade) recusar sair, vamos atacar, vamos abater”, disse João Machava, com a patente de tenente-coronel.

Jornal Notícias