A morte da jovem modelo holandesa Ivana Smit continua envolta em mistério.

A mulher, que tinha iniciado a carreira como modelo de sucesso na Tailândia, foi encontrada morta, completamente nua, na varanda de um prédio em Kuala Lumpur, na Malásia.

Ivana tinha caído da varanda do 20.º andar do prédio e o seu corpo foi encontrado no 6.º andar. Inicialmente as autoridades atribuíram a morte a um acidente, após consumo de drogas e álcool (encontrados no organismo da modelo) mas, segundo um investigador e detective inglês, haverá novas provas que indicam que a jovem terá sido vítima de um homicídio, tendo sido atirada da varanda depois de alegadamente ter participado numa festa de sexo com um casal milionário.

A família foi a primeira a contar esta versão. Defendem que, depois de ter saído naquela noite de Dezembro, Ivana foi com um norte-americano milionário, empresário na área da criptomoeda, e a sua mulher, de nacionalidade indonésia, para casa do casal, no centro de Kuala Lumpur.

A polícia não encontrou “elementos de crime” no local mas a família não se conformou e recorreu a investigadores privados de renome, entre eles o inglês Mark Williams-Thomas. “Não tenho dúvidas que foi um homicídio. E a polícia já está também a trabalhar nessa hipótese.

Foram recolhidas novas provas e, se isto tivesse acontecido no Reino Unido, já tinham havido detenções”, garante o investigador. O pai de Ivana, Marcel, acusa a polícia da Malásia de “ter acelerado as conclusões” e revela que testemunhas ouviram uma discussão entre duas mulheres e um homem naquele prédio na noite da morte da modelo.

Vizinhos, que já terão sido ouvidos pelas autoridades, revelaram que, no 20.º andar, vive de facto um casal, que é adepto de swing (troca de casais) e que “organiza festas e jogos de cariz sexual com jovens modelos”.

CM