Internacional Africa Sindicato dos Médicos preocupada com a falta de medicamentos em São Tomé

Sindicato dos Médicos preocupada com a falta de medicamentos em São Tomé

O alerta é da presidente do Sindicato dos Médicos são-tomenses, que garante que a falta de medicamentos e consumíveis chegou a um nível “gritante”. Setor não descarta nova paralisação em protesto.

Nós ainda continuamos com falta de medicamentos e outros consumíveis. Estamos descontentes, estamos insatisfeitos porque saímos de casa para vir trabalhar, de vez em quando sentimo-nos incompetentes em salvar uma vida por causa de falta de medicamentos, por causa de falta de meios de diagnóstico. Isso incomoda qualquer profissional”, denunciou, na sexta-feira (14), a porta-voz do Sindicatos dos Profissionais de Saúde de São Tomé e Príncipe, Benvinda Vera Cruz.

Em novembro do ano passado os sindicatos dos profissionais de saúde do país assinaram um memorando com o Governo para implementação de melhorias das condições de trabalho e fornecimento regular de medicamentos e consumíveis neste setor dentro do prazo que termina em 19 de janeiro.

No entanto, Benvinda Vera Cruz afirma que “até agora as coisas não estão a ser cumpridas” e que também “a promessa escrita não está a ser cumprida”, tendo lamentado a falta de diálogo por parte do executivo.

A menos de uma semana para terminarem os prazos estabelecidos no memorando e com a alegada falta de diálogo com o executivo, a médica sindicalista referiu que as únicas melhorias registaram-se depois da paralisação dos serviços de urgências em dezembro.

FONTEDW