Início Sociedade Mariano Nhongo propõe diálogo com Governo sob várias condições

Mariano Nhongo propõe diálogo com Governo sob várias condições

Após meses de silêncio, o líder da “Junta Militar” da RENAMO, Mariano Nhongo, mostrou-se aberto ao diálogo de paz com o Governo. Mas tem condições: rejeita a intervenção da RENAMO ou das Nações Unidas nas conversações.

Mariano Nhongo está disponível para sentar-se à mesa com o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) para negociar a paz, mas rejeita falar com o presidente da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Ossufo Momade, cuja liderança não reconhece, ou com o enviado da Organização das Nações Unidas (ONU), Mirko Manzoni.

A Junta Militar já mandou um documento ao Governo [em 2019] e esperamos que o Governo dê uma boa resposta. O povo vai entender e vai aceitar que eu negoceie com o Governo. Se o Governo me quiser enganar, o povo logo descobre e não vai aceitar que eu vá negociar”, afirmou numa entrevista exclusiva.

Mariano Nhongo também não quer negociar a paz com André Matsangaíssa Júnior, que abandonou o grupo dissidente no início deste ano. “O Governo pode criar uma comissão que vai negociar com a comissão da ‘Junta Militar’, mas não o traidor. Já chega a traição que ele fez”, adiantou.

Apesar de ser acusada de ataques armados no centro do país, que provocaram a morte a pelo menos 30 pessoas, a autoproclamada “Junta Militar” da RENAMO nunca admitiu a sua autoria.

FONTEDW
Artigo anteriorVariante Delta foi identificada como altamente contagiosa
Próximo artigoAlemanha registou 2.454 casos e 30 mortes em 24 horas por covid-19