Homens armados atacaram uma escola na cidade de Kumba, no sudoeste de Camarões, no sábado, provocando a morte de pelo menos quatro alunos e ferindo outros 15, informaram fontes do Governo neste domingo, 25.

Ninguém assumiu a responsabilidade do ataque, mas o Governo aponta o dedo aos separatistas na região anglófona que ordenaram o encerramento das escolas na área.

Patrick Ebale, de 17 anos de idade, disse que quando os homens chegaram à Academia Internacional Bilíngue Madre Francisca, os alunos correram em todas as direcções enquanto os atiradores disparavam indiscriminadamente para o ar.

“Houve uma confusão total e tive que entrar num esgoto e me esconder embaixo de um túnel para evitar ser baleado”, disse Ebale que reconnheceu que “ir à escola não tem sido uma tarefa fácil.”

Chamberlin Ntouou Ndong, o mais alto funcionário do Governo na unidade administrativa de Meme, onde Kumba está localizado, confirmou que quatro alunos foram mortos no local e sete dos feridos foram levados às pressas para hospitais, encontrando-se em estado crítico.

Ndong afirmou que os separatistas que lutam pela criação de um Estado de língua inglesa que eles chamam de Ambazonia “estão por trás do ataque e dos assassinatos”.