O exército israelita bombardeou hoje vários locais na Faixa de Gaza, na sequência de novos ataques ao Estado hebreu, noticiou a agência France-Presse (AFP), que citou fontes de segurança palestinianas.

Os primeiros ataques vieram de militantes palestinianos na Faixa de Gaza, que dispararam dois foguetes contra Israel na noite de terça-feira, causando dois feridos. De acordo com as mesmas fontes, Israel retaliou durante esta madrugada.

A rádio oficial do Hamas na Faixa de Gaza anunciou pelo menos três novos ataques com foguetes a Israel, enquanto fontes de segurança em Gaza relataram ataques aéreos israelitas ao enclave.

Os primeiros ataques, na terça-feira, coincidiram com a assinatura de acordos de normalização de relações entre Israel e dois países árabes na Casa Branca, em Washington.

Os palestinianos opõe-se aos acordos com os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, vendo-os como uma traição à sua causa pelos países árabes, que concordaram em reconhecer Israel sem garantir concessões territoriais.

Na terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, presidiu à assinatura dos dois acordos diplomáticos entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, que prometem mudar o equilíbrio de forças no Médio Oriente.

Em reação, o Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, afirmou que “não haverá paz” no Médio Oriente sem o “fim da ocupação” dos territórios palestinianos.

Hamas governa Gaza desde 2007, quando tomou o poder da Autoridade Palestiniana, apoiada internacionalmente. Desde então, Israel e Egito impuseram um bloqueio ao território costeiro.

Vários grupos militantes palestinianos operam em Gaza, mas Israel responsabiliza o Hamas por todos os ataques e normalmente responde aos disparos de foguetes com ataques aéreos contra alvos militantes.