A campanha para a reeleição do Presidente Donald Trump ocultou alegadamente cerca de 170 milhões de dólares (144 milhões de euros) em gastos através de empresas com ligações ao antigo diretor de campanha, indicou um grupo de supervisão.

Autilização de empresas com ligações ao antigo diretor de campanha Brad Parscale ocultou parte das verbas recolhidas, que o Campaign Legal Centre (CLC, um organismo independente) descreveu como uma prática de “lavagem” em violação da lei eleitoral, de acordo com uma queixa do grupo apresentada na Comissão Eleitoral Federal (FEC), um organismo responsável pela administração e aplicação da lei sobre o financiamento de eleições federais no país.

Tim Murtaughdiretor de comunicação de Trump, contestou as alegações e assegurou que “a campanha cumpre todas as leis de financiamento de campanhas e os regulamentos da FEC“.

De acordo com os registos da FEC, a maioria dos pagamentos dos comités de campanha de Trump foram recolhidos pelo American Made Media Consultants, que recebeu pelo menos 177 milhões de dólares (150 milhões de euros) desde 2018. Uma outra empresa, Parscale Strategy, coletou pelo menos 32 milhões de dólares (27 milhões de euros) durante esse período, indicam os registos disponibilizados.

A campanha indicou que o American Made Media Consultants foi criado para garantir publicidade de forma direta, e poupar dinheiro pelo facto de evitar a utilização de intermediários. Mas os registos demonstram que, pelo contrário, esta empresa atuou como “central de compensação” dos gastos, tendo sido ostensivamente formada para ocultar parte das verbas, indica a queixa.

Em pelo menos dois casos, empresas externas propriedade de Gary Coby, o diretor digital de Trump, terão efetuado diversas aquisições ou desenvolvido produtos de comunicação sem registo dos pagamentos feitos por Coby no âmbito do financiamento da campanha, prossegue a queixa.

Em simultâneo, a Parscale Strategy terá sido utilizada para pagar salários de alguns responsáveis da campanha de reeleição de Trump, incluindo Lara Trump, mulher de Eric, um filho de Trump, e Kimberly Guilfoyle, namorada de Don Jr, o filho mais velho de Trump, indica ainda o documento.

Através de uma declaração, Tim Murtaugh assegurou que não pagou qualquer salário através da Parscale Strategy, e indicou que a American Made Media Consultants não disponibilizou qualquer gratificação nem recebeu qualquer comissão.

No entanto, indica a agência noticiosa Associated Press (AP), é pouco provável que a queixa do grupo seja no imediato retomada pela FEC, uma agência que geralmente leva vários anos a responder às queixas.