O major das forças armadas da Venezuela Jesús Alberto García Hernández foi encontrado morto no último dia 15 em um quarto de hotel situado na rodovia que liga Caracas à capital do Estado vizinho de Miranda, Los Teques, confirmou na sexta-feira (17) uma fonte do Ministério Publico venezuelano.

Segundo veículos de imprensa locais, o major-general, de 39 anos, era próximo do ex-director do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin), Manuel Ricardo Cristopher Figuera, que liderou junto com o presidente do Parlamento, o oposicionista Juan Guaidó, a rebelião militar fracassada de 30 de Abril contra o governo de Nicolás Maduro.

Em carta aberta publicada pelo El Universal, Figuera assegurou que a morte do major foi, na verdade, um “assassinato seletivo e encomendado”, já que García Hernández lidava com informação sensível sobre os casos de corrupção mais “espantosos e escandalosos” do Sebin.

Na carta, ele insta aos demais membros das Forças Armadas a “apelar para sua sensibilidade humana” e admitam que o presidente Nicolás Maduro não está mais em condições de governar e respaldem os venezuelanos que desejam ver o “fim da usurpação”.

“O corpo foi encontrado no dia 15 de maio no quarto de um hotel na rodovia Pan-Americana”, disse a fonte sem dar detalhes sobre as condições em que o corpo foi descoberto, mas assinalando que o Ministério Público já iniciou uma investigação sobre o caso.

A imprensa, citando informações do Corpo de Pesquisas Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC, na sigla em espanhol), disse que García Hernández foi encontrado morto vestido com seu uniforme, com uma arma na mão direita e um ferimento na cabeça.

“O Corpo de Pesquisas Científicas Penais e Criminalísticas abriu uma investigação pela morte catalogada de suicídio, em sua fase preliminar”, relatou o site de notícias Efecto Cocuyo.

O site detalhou que o militar foi encontrado no quarto de número 9 do Hotel Colonial, situado na rodovia Pan-Americana que liga Caracas a Los Teques, e que a arma que ele tinha em punho era uma pistola Glock.

Além disso, o site afirmou que a investigação sobre a morte foi aberta “pela Divisão de Homicídios, apesar de ser qualificada como suicídio”.

Nenhuma autoridade nem a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) se pronunciou publicamente sobre a morte do major-general.

Metrópoles