A Procuradoria-geral da República submeteu ao Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, a acusação contra 20 arguidos envolvidos no esquema das dívidas ocultas.

Os arguidos são acusados de prática de vários crimes, como chantagem, falsificação de documentos, uso de documentos falsos, abuso de cargo ou função, peculato, corrupção passiva por acto ilícito, abuso de confiança, branqueamento de capitais e associação para delinquir.

No mesmo processo, a PGR apreendeu bens adquiridos com dinheiro das dívidas ocultas, nomeadamente 15 imóveis, seis viaturas, uma máquina pesada de construção civil e mandou congelar 31 contas bancárias.

Em relação ao antigo ministro das Finanças que está detido na África do Sul, a PGR informa que abriu um processo autónomo, onde são arguidos Manuel Chang e outros três elementos não identificados no comunicado de imprensa.

No total, a PGR constituiu 28 arguidos, mas se absteve de acusar quatro por falta de provas do seu envolvimento no esquema fraudulento.

Neste momento, nove arguidos estão em prisão preventiva, um em liberdade provisória mediante pagamento de caução e os restantes aguardam as fases subsequentes do processo em liberdade.

Folha de Maputo