Destaque Funcionário do hospital provincial de Chimoio detido por burla de vagas de...

Funcionário do hospital provincial de Chimoio detido por burla de vagas de emprego na saúde

Receba atualizações de trabalhos do MMO Emprego

Siga o nosso canal do Whatsapp para receber atualizações diárias anúncios de vagas.

Clique aqui para seguir

Um funcionário do Hospital Provincial de Chimoio (HPC) encontra-se detido sob a acusação de burla, após alegadamente extorquir cerca de 600 mil meticais a mais de dez cidadãos na província de Manica, centro de Moçambique.

O indivíduo, cujo nome não foi divulgado, foi detido na quinta-feira e é suspeito de solicitar dinheiro sob a promessa de garantir emprego no setor da saúde.

Segundo relatos, os valores exigidos variavam de acordo com o interesse de cada candidato. Para vagas em áreas técnicas, o suspeito alegadamente cobrava 80 mil meticais, enquanto para agentes de serviço exigia 50 mil meticais.

O pagamento era feito em duas parcelas, sendo metade do valor pago para cada uma das vagas.

O porta-voz do Serviço de Investigação Criminal (SERNIC) em Manica, Paulo Candeeiro, revelou que a detenção do suspeito foi possível devido às denúncias feitas pelas vítimas.

“Cumprimos com a nossa obrigação e procedemos à detenção deste indivíduo, que estava a cobrar dinheiro a vários cidadãos com a promessa de emprego no setor da saúde”, afirmou Candeeiro.

As investigações apuraram que o suspeito de facto recebeu valores monetários por transferência via telemóvel. Agora, um processo-crime foi instaurado e o indivíduo será levado à justiça para responder pelos seus atos.

Por sua vez, o suspeito admitiu a prática do crime e alegou ter conseguido vagas para alguns candidatos, embora ainda houvesse dois que não tinham sido contactados.

A diretora do Hospital Provincial de Chimoio, Marília Pugas, afirmou que a instituição repudia veementemente este tipo de comportamento e apelou à colaboração dos lesados com as autoridades judiciais para desmantelar toda a rede de burladores.

“Condenamos veementemente esta atitude, principalmente quando envolve os nossos colegas. O ingresso no quadro da saúde não é feito mediante o pagamento de valores monetários, mas sim através de concursos públicos”, destacou Pugas.