Sociedade Comerciantes do Mercado Central de Quelimane queixam-se de lentidão na reconstrução

Comerciantes do Mercado Central de Quelimane queixam-se de lentidão na reconstrução

Receba atualizações de trabalhos do MMO Emprego

Siga o nosso canal do Whatsapp para receber atualizações diárias anúncios de vagas.

Clique aqui para seguir

Comerciantes do Mercado Central de Quelimane, que foi destruído por um incêndio de grandes proporções em agosto de 2023, queixam-se da lentidão na reconstrução da infra-estrutura.

O incêndio, que ocorreu na madrugada de 1º de agosto, destruiu 500 barracas e deixou cerca de 2.500 famílias desamparadas.

Após o incêndio, o município de Quelimane lançou um processo de reconstrução do mercado, com o objetivo de construir uma infra-estrutura moderna e segura.

No entanto, os comerciantes dizem que os trabalhos estão a andar a passo de caracol.

“Os trabalhos estão muito lentos para aquilo que visa acabar com o sofrimento das famílias”, disse Abrão Mobrica, chefe da Associação dos Comerciantes Informais de Quelimane.

“É preciso que o presidente do município desça ao mercado, junte-se à empreitada que está a trabalhar de forma muito lenta, pavimente o piso afectado pelo incêndio, pelo menos do lado frontal e nos entregue para nós continuarmos a reconstruir para a retoma das nossas vidas e das nossas famílias”, acrescentou.

Santos Moreira, outro comerciante do Mercado Central, diz que o processo de reconstrução está a atrasar porque o município se comprometeu em pavimentar o mercado e depois entregar aos legítimos proprietários.

“Estamos há seis meses, mas nada acontece, as bancas frontais em construção estão a ser feitas de forma individual e não com o Conselho Municipal”, disse.

O edil de Quelimane, Manuel de Araújo, diz que a reconstrução está a avançar e que a edilidade conseguiu cerca de 400 mil dólares para construir de raiz a zona afectada pelo incêndio.

“Nós já assinámos um memorando de entendimento com uma organização que vai transferir, de forma substancial, aqueles fundos para reabilitação”, disse.

“O mercado será o melhor e mais moderno de Moçambique, esse é o nosso desafio”, prometeu.

Enquanto isso, os comerciantes continuam a vender na rua, o que está a causar congestionamento no trânsito e prejudicando as vendas.