África do Sul anunciou, na segunda-feira (12), o encerramento de seis fronteiras mais movimentadas, entre elas a de Lebombo. A medida, segundo o Presidente da República, Cyril Ramaphosa, visa evitar a propagação da COVID-19.

“Para reduzir o congestionamento e o alto risco de transmissão”, o Governo “decidiu que os 20 pontos de entrada terrestres que estão actualmente abertos ficarão fechados até 15 de Fevereiro para entrada e saída” no geral, disse o Chefe do Estado sul-africano, para quem “isso inclui os seis postos de fronteira mais movimentados, que são Beitbridge, Lebombo, Maseru Bridge, Oshoek, Ficksburg e Kopfontein”.

Cyril Ramaphosa explicou ainda que as entradas e saídas daquele país só serão permitidas para questões essenciais já determinadas, tais como emergência médica, transporte de comida e combustível.

“As pessoas ainda poderão entrar ou sair do país para: o transporte de combustível, carga e mercadorias, atenção médica de emergência para uma condição de risco de vida, o retorno de cidadãos sul-africanos, residentes permanentes ou pessoas com outros vistos válidos, diplomatas, a partida de estrangeiros e diariamente passageiros de países vizinhos que frequentam a escola na África do Sul”.

Além das medidas acima referidas, Cyril Ramaphosa manteve as medidas de alerta de nível três (lockdown). Segundo explicou, elas manter-se-ão em vigor até que a África do Sul ultrapasse o pico de novas infecções e haja certeza de que a taxa de transmissão caiu o suficiente para permitir aliviar com segurança as restrições actuais.

“Desejo expressar o meu apreço à comunidade religiosa em particular pelo seu apoio e compreensão durante esta pandemia. As organizações religiosas não apenas tiveram que limitar ou ajustar a natureza do culto e outras actividades, mas também forneceram aconselhamento, apoio, esquemas de alimentação e outros serviços sociais às comunidades”, afirmou o Presidente sul-africano.

Prosseguindo, Ramaphosa disse mais: “numa época em que as pessoas precisam de conforto material e espiritual, é lamentável que as restrições às reuniões religiosas e outras reuniões tenham que permanecer”, mas “a pesquisa identificou vários riscos que surgem de serviços religiosos e outras reuniões. Isso inclui os riscos associados a espaços fechados, grupos grandes, proximidade de outras pessoas, permanecer por muito tempo em um lugar e falar e cantar alto”.

O Chefe do Estado lembrou que teria dito, há dias, que “a tempestade de Coronavírus é muito mais violenta e mais destrutiva do que qualquer outra que conhecemos. Estamos agora no centro da tempestade. Não sabemos quanto tempo vai durar ou quanto pior vai ficar. Mas sabemos o que precisamos fazer para enfrentar a tempestade. Sabemos o que precisamos fazer para proteger a nós mesmos e aos que estão ao nosso redor (…)”.

De acordo com Ramaphosa, a maioria das medidas que foram anunciadas a 28 de Dezembro passado permanecerão em vigor.

Dado o risco de transmissão generalizada, a maioria das reuniões internas e externas não será permitida. “Isso inclui encontros sociais, encontros religiosos, eventos políticos, reuniões tradicionais do conselho e encontros em campos desportivos”.

“Como antes, isso não inclui funerais e outras excepções limitadas, conforme detalhado nos regulamentos, como restaurantes, museus e academias. Os funerais não podem ter mais de 50 pessoas, sendo necessário distanciamento social, higienização das mãos e uso de máscara”, recordou.

Segundo o estadista, o horário do toque de recolher agora começa às 21h00 e termina mais cedo, às 05h00. “Continua a ser obrigatório para todas as pessoas o uso de máscara em espaço público. A venda de álcool em pontos de venda e o consumo de álcool no local ainda não são permitidos”.

“Os serviços de saúde em várias partes do país relataram que a proibição da venda de álcool reduziu significativamente o número de casos de traumas atendidos no nossos hospitais durante o período do Ano Novo. É vital que continuemos a proteger os nossos serviços de saúde neste momento crucial”, apelou Ramaphosa.