A Sérvia anunciou que não expulsará o embaixador de Montenegro, numa tentativa de apaziguar a situação causada pelo anúncio feito na véspera por ambos os países de que os seus respetivos embaixadores tinham sido expulsos.
No sábado (28), Montenegro declarou o embaixador sérvio Vladimir Bozovic como “persona non grata” por “interferência nos [seus] assuntos internos”, dando-lhe 72 horas para deixar o país. A Sérvia anunciou imediatamente uma medida recíproca contra o embaixador do Montenegro, Tarzan Milosevic.

“Decidimos que a partir desta noite a Sérvia irá inverter a sua decisão de expulsar o embaixador montenegrino”, disse a primeira-ministra, Ana Brnabic, após uma reunião com o Presidente sérvio, Aleksandar Vucic.

Belgrado quer, “mais uma vez, estender a mão da cooperação e da amizade”, acrescentou.

O conflito surgiu alguns dias antes da tomada de posse do novo governo pró-sérvio de Montenegro.

Em 22 de novembro, o primeiro-ministro designado do Montenegro, Zdravko Krivokapic, lamentou esta crise diplomática.

Tinha prometido, através de uma mensagem na rede social Twitter, que o seu Governo, que tomaria posse na quarta-feira, iria trabalhar para melhorar as relações entre os dois países.

“O governo cessante, até aos seus últimos dias, não hesita em polarizar a sociedade e aprofundar as divisões”, acrescentou.

Mas o Partido Democrático dos Socialistas de Djukanovic aprovou a expulsão do embaixador sérvio, argumentando que ele “denegria constantemente o Montenegro”.

O embaixador sérvio Vladimir Bozovic tinha descrito na sexta-feira como “libertação” a realização de uma assembleia em 1918 que tinha decidido que o Montenegro se juntaria à Sérvia e assim se tornaria parte do reino dos sérvios, croatas e eslovenos, perdendo a sua independência.

Num gesto simbólico, os legisladores montenegrinos adotaram uma resolução em 2018 que anulava as decisões da assembleia de 1918.

Montenegro declarou a independência da Sérvia em 2006, mas as tensões sobre a identidade nacional ainda assombram este pequeno país dos Balcãs.

De acordo com o censo de 2011, quase 30% dos 620.000 habitantes de Montenegro identificam-se como sérvios. Alguns deles foram contra o desejo do presidente de consolidar a identidade nacional de Montenegro.