Uma equipa internacional, liderada por investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) da Universidade do Porto, desvendou uma nova espécie de osga “única” na ilha de São Nicolau, em Cabo Verde, foi esta segunda-feira anunciado.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto explica que o estudo, publicado na revista científica ZOOTAXA e liderado pela investigadora Raquel Vasconcelos, descreve uma nova espécie de osga única do género Hemidactylus na ilha de São Nicolau, em Cabo Verde.

Segundo o instituto do Porto, todas as espécies de répteis nativas das ilhas de Cabo Verde “só ocorrem exclusivamente nesta região”, sendo que algumas são “únicas” de determinadas ilhas.

Dada a sua raridade, ainda pouco se sabe sobre elas, revelando-se urgente desenvolver estudos que possibilitem um melhor conhecimento sobre a biodiversidade destes locais e adequar medidas para a conservação deste valioso património genético”, acrescenta o instituto.

No estudo, os investigadores designam a nova espécie de osga de Hemidactylus nicolauensis, sendo que esta se caracteriza morfologicamente “pela coloração distinta e por um arranjo diferente e diagnostico das lamelas dos dedos”.

Citada no comunicado, Raquel Vasconcelos, primeira autora do estudo, afirma que a descoberta de uma nova espécie “engrandece o património natural de todos, sobretudo do país onde ocorre”.

Estas descobertas dão-nos a oportunidade de obter conhecimento sobre a história de sucesso que permitiu a existência destas espécies após milhões de anos de evolução e que podem levar a algum avanço na ciência ou na engenharia, identificando novas substâncias que produzem e que podem ser economicamente valiosas”, refere a investigadora.

A nova espécie é, segundo o estudo, geneticamente distinta da osga de Bouvier H. bouvieri, à qual foi anteriormente associada, e de todos os outros Hemidactylus endémicos das ilhas de Cabo Verde.

Com a descoberta desta nova espécie, a ilha de São Nicolau alberga agora três espécies de osgas únicas e a diversidade de répteis documentada em Cabo Verde aumenta para 23 as espécies endémicas na região.

“Como resultado destas mudanças taxonómicas, os regulamentos de conservação existentes deverão ser revistos e os estatutos de conservação destas osgas deverão ser reavaliados”, esclarece o CIBIO-InBIO.