Presidente chinês visitou base militar e pediu às tropas: “ponham toda a vossa mente e energia na preparação para a guerra”. Aviso surge numa altura em que tensão entre China e EUA continua a crescer.

A visita terá sido discreta mas acabou por ser noticiada pela Xinhua, a agência estatal chinesa, e depois disso pela CNN: esta terça-feira o presidente chinês fez uma visita a uma base militar em Chaozhou, na província de Guangdong (a antiga Cantão), e pediu às tropas que se preparem para a guerra.

“Ponham toda a vossa mente e energia na preparação para a guerra” terão sido as palavras exatas de Xi Jinping enquanto passava revista ao Corpo de Fuzileiros Navais do Exército de Libertação Popular ali estacionado. O presidente chinês terá pedido ainda aos soldados que sejam “absolutamente leais, absolutamente puros, e absolutamente fiáveis” e que mantenham “um estado de alerta elevado”.

A visita às tropas estacionadas na cidade do sudeste da China, mesmo junto ao estreito de Taiwan, acontece numa altura em que a tensão entre o país e os Estados Unidos atingiu níveis sem precedentes, e ao extremar de posições com a crise do novo coronavírus, a implementação das novas redes 5G e a autonomia de Taiwan.

De acordo com a CNN, na véspera desta visita de Jinping, encaixada na agenda oficial do 40º aniversário da Zona Económica Especial de Shenzhen, também em Guangdong, a Casa Branca notificou o Congresso de que estava a planear avançar com a venda de três sistemas avançados de armas a Taiwan.

A China, através do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, respondeu com rapidez e dureza: exortou os Estados Unidos a “cancelar imediatamente quaisquer planos de venda de armas a Taiwan” e a cortar todos os “laços militares” entre os EUA e o território, cuja autonomia não reconhece.