Um doente norte-americano de 51 anos recebeu por engano um rim que não era para si mas para outro doente com o mesmo nome e a mesma idade.

O episódio insólito aconteceu a 18 de Dezembro no Virtua Hospital de Nossa Senhora de Lurdes, em Camden, New Jersey.

No dia seguinte o erro foi detectado, e há dias o doente que devia ter recebido o fígado no dia 18 fez ele próprio um transplante de fígado, além do pedido de desculpas que já lhe tinha sido apresentado pelo coordenador de transplantes e pelo director médico. Quanto ao outro doente, que recebeu o seu rim seis dias mais cedo do que devia, também se encontra bem.

O acidente foi descrito como “sem precedentes” em mais de 40 anos. O vice-presidente executivo e principal responsável clínico da Virtua Health, a empresa que gere o hospital em questão – o único em New Jersey a fazer transplantes de órgãos – explicou numa declaração: “Erros desta magnitude são raros. E apesar das circunstâncias invulgares de identidades similares de pacientes, verificações adicionais teriam evitado este erro”.

Nos Estados Unidos 30 milhões de pessoas sofrem de doença renal crónica. Entre elas, há 700 mil cujos rins já não funcionam, requerendo diálise ou um transplante, segundo a Associated Press. Daí a importância de respeitar a ordem estabelecida na lista de transplantes, o que neste caso falhou, embora sem consequências graves.

A Rede Unida de Partilha de Orgãos, a ONG que gere o sistema nacional de transplantes, diz que em 113 mil casos de doentes que necessitam de um transplante para sobreviver, 95 mil dizem respeito ao rim.

Expresso