Milhares de indígenas chegaram a Quito, capital do Equador, para se manifestarem contra o fim dos subsídios que mantinham os preços dos combustíveis baixos, tendo o Governo decidido transferir-se para Guayaquil por questões de segurança.

Os confrontos no Equador intensificaram-se nas últimas horas, pelo que o palácio presidencial foi evacuado e a sede do governo transferida para Guayaquil, anunciou a presidência.

O país está a viver uma crise institucional e política desde a semana passada, na sequência do anúncio de uma série de medidas para “revitalizar a economia”, incluindo a suspensão dos subsídios ao combustível.

O anúncio feito pelo Presidente Lenín Moreno provocou uma greve dos trabalhadores dos transportes, que terminou poucos dias depois, mas os distúrbios têm-se multiplicado em todo o país e no fim de semana os indígenas — que representam 7% da população começaram a juntar-se aos protestos.

No sábado e no domingo, as estradas da serra Andina foram alvo de uma onda de saques e destruição, e na madrugada de hoje as ruas estreitas do centro histórico de Quito tornaram-se um campo de batalha entre manifestantes de diferentes grupos e a polícia.

Pneus queimados, pedras e cocktail molotov atirados e vários bens públicos destruídos era o cenário visível esta manhã na capital, avançou a agência de notícias espanhola Efe.

Quando os distúrbios chegaram à praça de Santo Domingo, a poucas centenas de metros da sede da presidência, a polícia teve de se retirar e as forças militares decidiram evacuar o Palácio Carondelet e transferir o Presidente Lenín Moreno para Guayaquil.

Já nessa cidade, o Presidente fez uma declaração na televisão e na rádio públicas para pedir calma e acusou o ex-Presidente Rafael Correa de uma “tentativa de golpe de Estado”.

“O que aconteceu não é uma manifestação social de protesto contra uma decisão do Governo. Foi uma demonstração política que visa acabar com a ordem democrática”, disse.

Existem “pessoas externas pagas e organizadas” para usar a mobilização dos povos indígenas com o objectivo de saquear e desestabilizar, acrescentou.

Na sua mensagem, Moreno apareceu ao lado do vice-presidente, Otto Sonneholzner, do ministro da Defesa, Oswaldo Jarrín, e de quatro generais em uniforme de combate.

O Presidente equatoriano instou a Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) a iniciar “um diálogo sincero” e garantiu que “essa porta nunca se fechou”.

Pouco depois, os indígenas libertaram meia centena de polícias e militares retidos desde sábado, segundo o canal Ecuavisa, e a Conaie divulgou um comunicado no qual “rejeitou e repudiou” todos os distúrbios violentos, atribuindo-os à “infiltração de agentes provocadores e violentos” que querem “causar o caos” no país.

Lusa