Moçambique vai enviar 284 toneladas de pesticidas tóxicos para incineração em Inglaterra, anunciou a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

“Esta quantidade de pesticidas obsoletos, concentrada em três armazéns na Beira, Chimoio e Boane, foi recolhida em empresas privadas gestoras e utilizadoras de pesticidas, sector público e organizações não-governamentais (ONG)”, refere a organização em comunicado.

A recolha foi feita por uma equipa totalmente composta por técnicos moçambicanos treinados e formados pela FAO.

A empresa Veolia UK, vocacionada para a destruição de lixo perigoso, foi seleccionada por via de um concurso internacional.

A firma vai “iniciar o processo de envio destes produtos tóxicos para Inglaterra, onde serão destruídos por incineração, pelo facto de, até o momento, nenhum país africano possuir capacidade para destruir este tipo de produto sem causar danos ambientais”.

Parte está em fase de saída de Moçambique, enquanto o remanescente (cerca de 156,7 toneladas) será exportado entre Setembro e Outubro.

A FAO está a apoiar Moçambique a eliminar os riscos associados a pesticidas obsoletos e que hoje são reconhecidos como um perigo para a saúde e ambiente.

Além das quantidade armazenados que devem ser destruídas, o país tem 15 locais onde os produtos foram usados e nos quais são recomendadas acções de limpeza dos solos, refere Khalid Cassam, coordenador do projecto junto da FAO.

A organização apoiou a limpeza de dois locais, mas “o país precisa de mais parceiros que possam criar capacidade nacional” para cuidar dos restantes, conclui.

Notícias ao Minuto