Dez membros da missão das Nações Unidas no Mali ficaram feridos, quatro deles de forma grave, quando um veículo que os transportava atingiu uma mina no norte do país, anunciou a organização.

Segundo o porta-voz adjunto das Nações Unidas Farhan Haq, a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali (MINUSMA) está a investigar o incidente que ocorreu na manhã de hoje durante uma operação perto da cidade de Kidal.

Os ocupantes do veículo receberam cuidados médicos.

O Mali tem sido palco de agitação desde 2012, motivada por uma insurreição liderada por soldados rebeldes com o objectivo de derrubar o Presidente.

As consequências destes eventos conduziram ao surgimento de forças ‘jihadistas’ no território maliano, apenas afastados do poder em 2013, após uma guerra liderada por França.

Ainda assim, a presença de ‘jihadistas’ mantém-se no centro do país, e a nação situada na África Ocidental continua sob ameaça de grupos associados à Al-Qaeda e ao autoproclamado Estado Islâmico (EI), que em 2015 abandonaram o árido norte do país para a região central, mais povoada.

Na quinta-feira, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, António Silva Ribeiro, disse à agência Lusa que Portugal poderá enviar seis militares e um avião C-295 da Força Aérea para o Mali durante seis meses no próximo ano. Actualmente há dois oficiais portugueses no quartel-general.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou em 28 de Junho a extensão do mandato da sua missão no Mali por mais um ano, para combater a violência no centro do país e restabelecer a autoridade governamental.

A MINUSMA foi estabelecida em 2013 e tem sido a mais mortífera entre as missões lideradas pela ONU, com 185 vítimas mortais entre os capacetes azuis.

A resolução adoptada pelo Conselho de Segurança da ONU sublinhou que a principal missão dos 16.000 operacionais destacados naquele país continua a ser a implementação de um acordo de paz assinado em 2015.

Notícias ao Minuto