Os principais Rios do Sul do país continuam a debater-se com falta de água para o consumo humano e para a agricultura.

O governo tem procurado das mais diversificadas soluções para garantir que o precioso líquido continue a jorrar nas torneiras.

Recentemente, houve incremento de 18 milhões de metros cúbicos na barragem dos pequenos libombos. E mesmo assim não chega.

No entanto, o Governo garante que em breve o Rio Incomati passará a abastecer água potável à região do Grande Maputo.

O vice ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, falava esta segunda-feira na cidade da Matola, na 5ª conferência da River and Environmental Management cooperation, uma iniciativa que junta Moçambique, Eswatini e África do sul, países que partilham o Rio Incomati, onde ficou vincada a necessidade de melhorar a gestão dos rios transfronteiriços.

Neste encontro que decorre sob o lema “Lidando com a escassez de água e outros riscos num contexto transfronteiriço” serão também discutidas questões relacionadas com os desafios impostos pelas mudanças climáticas.

O País