Decisões judiciais inocentando homens acusados de estupro levam mulheres japonesas a fazer protestos contra as leis sobre abuso sexual do país.

Uma recente série de decisões judiciais que inocentou acusados em casos de estupro no Japão gerou polémica e reavivou o debate sobre a ambiguidade na legislação do país, cuja ampla interpretação deu lugar a veredictos inacreditáveis.

Mais de 400 pessoas se concentraram em frente à Estação de Tóquio no dia 11 de Abril para protestar contra sentenças nas quais os juízes reconheceram relações sexuais não-consentidas, mas absolveram os agressores ao considerar que as vítimas poderiam ter oferecido mais resistência ou que a intencionalidade do abuso não ficou provada.

ara Yumi Itakura, do escritório público de Tóquio, estes veredictos “podem ter uma influência muito negativa e dissuasória” em futuras denúncias.

A advogada, de 47 anos, acredita que o problema principal é “uma interpretação muito literal” da lei e mostra uma falta de formação dos juízes sobre “a realidade dos casos de estupro, incluindo a situação psicológica das vítimas”.

R7