As vítimas do ciclone Idai, que foram afectados por este fenómeno natural na cidade da Beira e as de inundações no distrito do Búzi, em Sofala, estão desavindos. Os afectados dos dois desastres naturais que estão acomodados no mesmo centro, o centro de acomodação do IFAPA, não querem partilhar o mesmo espaço.

“Os reassentados de Búzi não nos querem aqui, dizem que temos que voltar para as nossas casa porque vivemos perto”, contou uma das reassentadas.

Para os afectados a solução passa por cada afectado retornar imediatamente as suas zonas de origem, com apoio básico do governo para retomarem as suas vidas normalmente.

O INGC diz que está a par das necessidades das vítimas pretenderem regressar às suas zonas de origem e que estão em curso medidas visando satisfazer este desejo, que poderá iniciar ainda esta semana.

“Está a decorrer neste momento a demarcação de talhões para as famílias serem alojadas em locais seguros”, informou o representante do INGC.

Neste momento, para minimizar o conflito entre os afectados do Búzi e Beira, decorrem trabalhos de sensibilização.

O País