A degradação da estradada, a falta de transporte público são assuntos que nos últimos dias dominam as conversas em Muhalazi, um dos bairros da autarquia da Matola que nos últimos 5 anos tem registado um acentuado crescimento populacional. A população lamenta a falta de machimbombos. 

Nos últimos tempos depois da retirada dos autocarros de transporte público que teriam sido alocados pela edilidade, a vida tornou-se difícil para os munícipes daquela autarquia.

Monteiro Sitoe, vive em Muhalaze há 1 ano diz que a vida ficou complicada agora. “ Tínhamos machimbombo do transporte público, mas não ficou seis meses devido a precaridade da estrada. Esta estrada está muito má, o que nos ajuda é só o “my love”.

“A estrada está péssima, assim quando voltar de lá onde vou desembarcar estas pessoas tenho que levar o carro ao mecânico”, diz Lucas Manhiça, um dos automobilistas que se dedica ao transporte de pessoas e bens através da sua camioneta de duas toneladas.

A edilidade da Matola terá alocado no ano de 2018 dois autocarros na sequência de abertura de novas rotas.
Com o acentuar da degradação da estrada o executivo não teve outra saída se não retirar os autocarros para dar lugar a reabilitação da via, como deu a conhecer o porta-voz do conselho autárquico da Matola, Filmão Swazi.

“O conselho autárquico está a trabalhar para repor a transitabilidade em Muhalazi. Estamos a trabalhar arduamente para a reposição da utilidade daquela via. Vamos fazer intervenções a dois níveis, numa primeira fase faremos terraplanagem e o plano concreto é fazer asfaltagem daquela via de 9 quilómetros sendo que primeiro vamos fazer os 6 km e depois os 3km.

Enquanto a reabilitação não chega, os carros dos residentes sujeitam-se a uma ginástica para poder circular visto que toda a extensão da via está em charcos.

O País