Seis ex-líderes de países da União Europeia, incluindo o ex-presidente da França François Hollande (2012-2017) e três ex-primeiros-ministros da Itália, escreveram uma carta cobrando a participação de Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2018.

O documento afirma que a “prisão apressada” do ex-mandatário, “incansável arquitecto da redução das desigualdades no Brasil e defensor dos pobres de seu país”, despertou a atenção dos firmatários.

Além de Hollande, o texto é assinado pelos ex-primeiros-ministros da Itália Massimo D’Alema (1998-2000), Romano Prodi (1996-1998 e 2006-2008) e Enrico Letta (2013-2014), pelo ex-presidente do governo da Espanha José Luis Rodríguez Zapatero (2004-2011) e pelo ex-premier da Bélgica Elio Di Rupo (2011-2014).

Todos eles pertencem a partidos socialistas ou sociais-democratas da União Europeia. “A luta legítima e necessária contra a corrupção não pode justificar uma operação questionadora dos princípios da democracia e do direito dos povos de eleger seus governantes. Nós, solenemente, solicitamos que o presidente Lula possa se submeter livremente ao sufrágio do povo brasileiro”, diz a carta.

Em Abril passado, D’Alema, Prodi e outros membros da esquerda italiana já haviam manifestado “preocupação” por causa da rejeição pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de um habeas corpus em benefício de Lula, hoje cumprindo pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Metrópoles