Quando já se aproxima o último dia do ano 2014, os transportadores do Terminal rodoviário Inter-provincial da Junta vieram a público denunciar a existência de operadores piratas que vem exercendo concorrência desleal.

Segundo aqueles transportadores, os operadores clandestinos actuam nos bairros da província e cidade de Maputo, nomeadamente: Zimpeto, T3, Benfica e Missão Roque, onde a sua estratégia principal é ir ao encontro dos passageiros, em casa ou em outros locais por si estipulados.

Entretanto, a Associação Moçambicana dos Transportadores Colectivos de Passageiros de Carreiras Inter-provinciais e Internacionais revelou estar a desenhar estratégias para combater os transportadores clandestinos, que para além de não pagarem impostos, prejudicam as contas dos cerca de 900 operadores licenciados para a actividade.