A passos largos para o dia em que os moçambicanos irão eleger o terceiro chefe de Estado, que se espera ser de forma democrática, o país já começa a registar episódios nada satisfatórios a saúde da jovem democracia.

Desde a última sexta-feira (03), dois agentes da Polícia da República de Moçambique e o motorista do camião da empresa Lalgy encontram-se sob custódia das autoridades policiais, na província de Manica, sob suspeita de envolvimento no desaparecimento de mais de 20 mil boletins de voto, no Posto Administrativo de Inchope.

 Os boletins, ora destinados aos distritos de Pebane e Namacurra, ambos na província central da Zambézia, foram roubados por indivíduos desconhecidos e em circunstâncias ainda por esclarecer.

Na mesma onda da campanha eleitoral, cinco indivíduos encontram-se detidos nas províncias de Tete, da Zambézia e Nampula acusados de envolvimento na destruição de materiais de propaganda eleitoral e algumas acções de impedimento de marcha dos partidos políticos.

Os dados foram avançados pelo porta-voz do Comando da cidade de Maputo, Orlando Mudumane, no actual briefing semanal do Comando Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), que acrescentou que apesar destes pequenos incidentes, a campanha eleitoral, que se encontra no 38º dia, está a decorrer de forma pacífica e ordeira.

Mudumane reiterou o apelo de muita responsabilidade aos candidatos e partidos políticos que concorrem às eleições para que façam a campanha eleitoral com civismo e urbanidade, salvaguardando a ordem pública.

Na ocasião, o porta-voz da PRM avançou que 293 cidadãos moçambicanos  foram repatriados da vizinha África do Sul por terem sido considerados ilegais.

A situação mais preocupante, segundo Mudumane, continua a ser os acidentes de viação que, de 27 de Setembro a 3 de Outubro, foram 58 em todo o país, tendo culminado em 34 óbitos, 42 feridos graves e 54 feridos ligeiros, para além dos danos avultados em algumas viaturas envovidas nos sinistros.

O excesso de velocidade aliado a má travessia dos peões, condução em estado de embriaguez e manobras perigosas continuam a ser as causas que se encontram por detrás dos acidentes.

No período em análise, foram ampreendidas 89 cartas de condução e 23 livretes em consequência dos seus titulares terem sido surpreendidos a conduzir sob efeito de alcool num universo de 329 automobilistas submetidos ao teste de alcoolmia.

Na semana finda, em todo o território nacional foram registados cerca de 127 casos criminais contra 119 em igual período do ano passado, dos quais 101 foram esclarecidos representando pouco mais de 80 por cento da operatividade policial.