Os produtores de tabaco no distrito de Macanga, na província de Tete, acusam a empresa Mozambique Leaf Tobacco de se aproveitar da pobreza dos camponeses para explorá-los naquela região. A empresa fomenta a produção de tabaco e, como consequência, dita o preço de compra.

“Os camponeses de Macanga dizem que preferem ser explorados pelas empresas que compram tabaco, que nada ter. Produzem culturas alimentares, mas em pequena escala, dando prioridade ao tabaco. O tabaco é a cultura de rendimento para eles”, denunciou ontem António Jane, estudante de mestrado em Desenvolvimento e Ordenamento Territorial na “A Politécnica,” no decurso da Conferência do sector Agrário e Desenvolvimento Rural em Moçambique, organizado pelo Observatório do Meio Rural.

Jane apresentou o tema: Efeito da produção de cultura de rendimento nos sistemas de produção em Macanga. O Caso de tabaco. Ele não entrou em detalhes sobre os preços praticados pela empresa fomentadora nem das relações entre os agricultores e a empresa comparadora.

“Uma coisa é certa. Os agricultores não estão satisfeitos com os rendimentos de tabaco. Mas dizem que se Macanga deixar de produzir tabaco haverá colapso. Preferem ser explorados a não vender tabaco”, disse.

Efeitos

Durante a sua apresentação, António Jane disse que o cultivo e a comercialização do tabaco têm efeito positivo na quantidade de terra alocada para a prática do milho, amendoim e hortícolas. E não tem efeito nas culturas de feijão e batata-reno e batata-doce.

Quanto às práticas culturais, disse que o cultivo de tabaco não tem efeitos sobre o tipo de lavoura usada no cultivo de culturas alimentares, assim como não impulsiona o uso de sementes melhoradas, estrume, pesticidas.

“São apontados como efeitos positivos desta prática o uso de fertilizantes na produção das culturas alimentares, assim como na adopção da rotação de culturas”, disse.
Indicou que os produtores de tabaco produzem as culturas alimentares com auxílio de mão-de-obra adicional e os rendimentos agronómicos das culturas de milho e batata-doce se mostram impactadas positivos.

O tabaco é uma das principais culturas de rendimento praticada pelos camponeses de Macanga, que os vendem às empresas do sector, muitas vezes em detrimento das culturas alimentares.